25 de abr de 2013

Amando a Poesia: Adélia Prado


"Uma das mais remotas experiências poéticas que me ocorre é a de uma composição escolar no 3º ano primário, que eu terminava assim: "Olhai os lírios do campo. Nem Salomão, com toda sua glória, se vestiu como um deles...".

A professora tinha lido este evangelho na hora do catecismo e fiquei atingida na minha alma pela sua beleza. Na primeira oportunidade aproveitei a sentença na composição que foi muito aplaudida, para minha felicidade suplementar. Repetia em casa composições, poesias, era escolhida para recitá-las nos auditórios, coisa que durou até me formar professora primária. Tinha bons ouvintes em casa. Aplaudiam a filha que tinha "muito jeito pra essas coisas". Na adolescência fiz muitos sonetos à Augusto dos Anjos, dando um tom missionário, moralista, com plena aceitação do furor católico que me rodeava. A palavra era poderosa, podia fazer com ela o que eu quisesse."


Olá, galera! Começamos nosso Amando a Poesia de um jeito diferente, para que todos possamos entrar no clima de simplicidade e beleza da nossa homenageada de hoje: Adélia Prado! Vamos conhecê-la, e nos apaixonar por essa figura encantadora!

Adélia Luzia Prado Freitas nasceu em Divinópolis, Minas Gerais, em 1935. Formou-se em filosofia na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Divinópolis. Após sua formação, começou a escrever, e teve Carlos Drummond de Andrade como um de seus maiores incentivadores, ajudando-a inclusive a lançar seu primeiro livro. A moça simples de alma grande permanece encantando o mundo, enchendo-nos de poesia!

Vamos conhecer um pouco mais da sua poesia? 


                    Com licença poética
Quando nasci um anjo esbelto,
desses que tocam trombeta, anunciou:
vai carregar bandeira.
Cargo muito pesado pra mulher,
esta espécie ainda envergonhada.
Aceito os subterfúgios que me cabem,
sem precisar mentir.
Não sou feia que não possa casar,
acho o Rio de Janeiro uma beleza e
ora sim, ora não, creio em parto sem dor.
Mas o que sinto escrevo.  Cumpro a sina.
Inauguro linhagens, fundo reinos
— dor não é amargura.
Minha tristeza não tem pedigree,
já a minha vontade de alegria,
sua raiz vai ao meu mil avô.
Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.
Mulher é desdobrável. Eu sou.
Adélia Prado 

O que acharam? Inspirem-se! 


Nenhum comentário:

Postar um comentário